18 de junho de 2017

5 de junho de 2017

http://cine-resort.blogspot.pt/2017/06/a-postura-e-o-trabalho-necessarios-da.html

3 de junho de 2017

http://multiplotcinema.com.br/2011/11/o-cinema-de-artavazd-peleshian/

http://unspokencinema.blogspot.pt/2009/08/films-of-artavazd-peleshian.html?m=1

26 de maio de 2017

Filmes vistos ultimamente que interessam registar:

(1918) The Blue Bird - Maurice Tourneur
(1919) Blind Husbands - Erich Von Stroheim
(1923) The Balloonatic - Edward F. Cline, Buster Keaton
(1927) The King of Kings - Cecil B. DeMille
(1939) Union Pacific - Cecil B. DeMille
(1947) Unconquered - Cecil B. DeMille
(1972) Geschichtsunterricht - Danièle Huillet, Jean-Marie Straub
(1975) Moses und Aron - Danièle Huillet, Jean-Marie Straub
(1979) Dalla nube alla resistenza - Danièle Huillet, Jean-Marie Straub
(1982) En rachâchant - Danièle Huillet, Jean-Marie Straub
(1994) Lothringen! - Danièle Huillet, Jean-Marie Straub
(1961) Una vita difficile - Dino Risi
(1962) Il sorpasso - Dino Risi
(1963) I mostri - Dino Risi
(1968) Il profeta - Dino Risi
(1969) Vedo nudo - Dino Risi
(1969) Nell'anno del Signore - Luigi Magni
(1959) Shadows - John Cassavetes
(1961) Too Late Blues - John Cassavetes
(1968) Faces - John Cassavetes
(1970) Husbands - John Cassavetes
(1971) Minnie and Moskowitz - John Cassavetes
(1974) A Woman Under the Influence - John Cassavetes
(1953) The Glenn Miller Story - Anthony Mann
(1960) Le testament d'Orphée, ou ne me demandez pas pourquoi! - Jean Cocteau
(1930) Tōjin Okichi - Kenji Mizoguchi
(1936) Naniwa erejî - Kenji Mizoguchi
(1944) Miyamoto Musashi - Kenji Mizoguchi
(1946) Utamaro o Meguru Gonin no Onna - Kenji Mizoguchi
(1953) Gion Bayashi - Kenji Mizoguchi
(1956) Akasen chitai - Kenji Mizoguchi
(1960) Rokudenashi - Yoshishige Yoshida
(1962) Akitsu onsen - Yoshishige Yoshida
(1968) Juhyô no yoromeki - Yoshishige Yoshida
(1974) Samye zemnye zaboty - Aleksandr Sokurov
(1975) Mariya - Aleksandr Sokurov
(1987) Moskovskaya elegiya - Aleksandr Sokurov
(1988) Dni zatmeniya - Aleksandr Sokurov
(2015) Francofonia - Aleksandr Sokurov
(2016) Austerlitz - Sergei Loznitsa
(2014) P'tit Quinquin - Bruno Dumont
(2016) Ma Loute - Bruno Dumont
(2016) On the Milky Road - Emir Kusturica
(2016) Certain Women - Kelly Reichardt
(2014) National Gallery - Frederick Wiseman
(2015) Boi Neon - Gabriel Mascaro
(2012) Centro Histórico - Aki Kaurismäki, Pedro Costa, Víctor Erice, Manoel de Oliveira

Revisões:

(1923) Safety Last! - Fred C. Newmeyer, Sam Taylor
(1949) The Fountainhead - King Vidor
(1950) Stars in my Crown - Jacques Tourneur
(1959) Rio Bravo - Howard Hawks
(1969) Hello, Dolly! - Gene Kelly
(1985) Year of the Dragon - Michael Cimino
(1997) La vita è bella - Roberto Benigni

23 de maio de 2017

http://sensesofcinema.com/2009/great-directors/jean-marie-straub-and-daniele-huillet/

19 de maio de 2017

Rua da Vergonha de Mizoguchi é o derradeiro filme sobre as mulheres… hino à fortaleza ou à força da natureza que são as mulheres… ali há-las de todos os tipos e feitios, estão ali ou vão ali parar por várias razões e objectivos… ali “há de tudo como na feira”! E não, não me parece que tenha havido outro cineasta que tenha filmado tão bem a Mulher, que a tenha explorado até ao seu imo como Mizoguchi fez… como dizia Bénard, que a tenha amado como Mizoguchi… e Rua Da Vergonha ou Akasen chitai é talvez o seu grande “hino” a Elas…

Mas mais uma vez falo de fantasmagoria que percorre o cinema de Mizoguchi… aqui não a há, ou não se vislumbra tão facilmente, pois olhando no fundo do fundo deste filme tão feérico e profundo que é Akasen chitai poderá vislumbrar-se toda essa fantasmagoria na alma daquelas mulheres onde se desvincula o corpóreo do espiritual… essa alma nunca será tocada como tantas vezes o é o corpo… é esta a grande “lição” de Rua da Vergonha, assim como todo o percurso de algumas daquelas prostitutas se deve pela sobrevivência, assim como a escolha e o tal percurso de vida de Yumeko se fez pelo filho para este a desprezar e a “condenar” à loucura… Mizoguchi distancia-se do etéreo para se instalar no corpóreo e em toda a sua materialidade e objecto pecaminoso… a perda da candura e da dignidade… vender o corpo… e Mizoguchi separa-os, o corpo da alma, esta sempre permanece…

Ainda teremos que vincar toda a questão social e política que Akasen chitai revela, o papel da mulher na sociedade, as classes e a sua luta, a miséria a luta pela sobrevivência que a tudo o resto remete… Rua da Vergonha está para Mizoguchi como 7 Women está para Ford, e não há no mundo (ou poucos há no mundo) “coisas” tão homogéneas como as derradeiras obras destes dois mestres... porque se em Mizoguchi se ergue todo o poder feminino em sobreviver (ainda que deambulando) na miséria e na prostituição, em Ford e no seu 7 Women (que diga-se é o filme mais Mizoguchiano de Ford) ergue-se todo esse poder em sobreviver naquelas missionárias e freiras na China dos anos 30…

Forças descomunais, furacões, coisas assombrosas que emanam da alma e se espalham por aqueles corpos (e Akasen chitai é tão erótico quanto negro, tão lúcido quanto idílico) e rostos e pelos caminhos traçados por aquelas mulheres contra o mundo, o corpóreo que transcende do espírito e da alma e da força da mulher… guerra aberta, tão aberta quanto os planos de Mizoguchi...
Monstruosidade total, grandiosidade absoluta.

15 de maio de 2017

13 de maio de 2017

5 de maio de 2017